domingo, 5 de maio de 2013

Onde está Duffy?



Vanessa Souza

Tantas bandas, tantos artistas. Tantas músicas fazendo sucesso e sendo esquecidas nem dois meses depois de serem lançadas. Às vezes, no rádio, no computador de um amigo, numa festa estranha com gente esquisita, toca aquela música daquele artista que você gostava tanto quando era mais novo. Ou no mês passado. E a pergunta que fica é "cadê essa banda? O que eles estão fazendo agora?". É sobre isso que vamos falar no Especial deste mês.

Para começar, escolhi a Duffy. A galesa apareceu na grande mídia com seu primeiro álbum, Rockferry, em 2008. O estilo retrô com um pé e meio nos anos 60, iniciado por Amy Winehouse anos antes, acertou o público em cheio. A faixa título foi o primeiro single, com direito a clipe inteiro em preto e branco igual à capa do álbum. Mas foi a grudenta Mercy que todo mundo ouviu e cantou até não poder mais.


Rockferry é um bom álbum. Eu diria ótimo, mas não sei se estou sendo muito tendenciosa. Sou fraca quando a questão é música de fossa música mais lenta, mais emocional. Duffy conta histórias de corações partidos em canções sofridas como Stepping Stone, Syrup & Honey e I'm Scared. No entanto, mesmo chorando as pitangas na maioria das músicas, ela levanta, alisa o vestido e manda o 'amado' ir para o inferno em Delayed Devotion. Álbum perfeito para cantar de ponta a ponta depois daquele término dolorido de relacionamento. Vai dizer que não?

Depois disso... para onde foi a Duffy? Ela lançou uma versão de luxo do Rockferry que trouxe sete novas músicas – praticamente um EP. Entre elas estava o single Rain on Your Parade, que fez sucesso moderado.

Em 2010, o segundo disco da carreira da cantora foi lançado com o nome Endlessly. Fora a faixa de mesmo nome, só outras duas realmente valem a pena nesse álbum: Don't Forsake Me e Breath Away. O único single Well, Well, Well é uma música repetitiva e cansativa. Destaque para Girl, que não poderia ser mais irritante. Eu adoro a Duffy e sua voz tão única e característica, mas os vibratos forçados e excessivos nesse disco não funcionaram. Não mesmo.


Com isso, a cantora galesa acabou dando uma desacelerada. Atualmente, ela está dando um tempinho antes de gravar o terceiro álbum. Como fã, torço para ela acertar nas parcerias de composição da próxima vez. E que volte à sonoridade anos 60 no lugar dos elementos (meio perdidos) de discoteca que apareceram no Endlessly.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Eu fico triste, pq desde o final do ano passado saem notas nos sites ingleses dizendo que ela esta em estúdio gravando e que viria novo álbum para esse ano. Enfim, o primeiro semestre esta quase acabando e nada, não sai nada realmente concreto, nem a polydor (sua gravadora) se pronuncia a respeito. O que resta é esperar para as surpresas do segundo semestre. Espero realmente que ela volte com algo do nível de Rockferry.

    ResponderExcluir