quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Livre, leve e solta

Carolina Rodrigues

Se você é fã de Harry Potter, vai se lembrar da esquentadinha de cabelo roxo Ninfadora Tonks. Acontece que, além de atriz, Natalia Gastiain Tena faz parte da banda Molotov Jukebox que eu conheci há pouco tempo e que me chamou a atenção pela desenvoltura natural dos integrantes, em especial da própria Natalia. Na minha pequena e humilde opinião, vivemos uma época que carece de naturalidade por parte dos artistas, que se preocupam cada vez mais em agradar o público e vender. Ao ver Natalia cantando, senti que ela quer primeiro agradar a si mesma, independente do raio de alcance de sua produção. Mas, como disse, minha opinião pode não ser de grande importância então vou apresentar os fatos e vocês tirem suas próprias conclusões. Lá vai...

"O acordeão se tornou uma obsessão para mim", Nat
(site oficial)

Para começar, a descrição da banda em seu site oficial diz o seguinte: “essa é uma banda nascida do amor; amor pelos outros, amor pela música e amor que faz as pessoas dançarem até que elas caiam (ou caiam por amor)”. Pode ser que a tradução não esteja perfeita, mas vocês podem conferir a frase completa aqui.

O grupo inglês é composto por seis integrantes: Natalia Tena (vocal e acordeão), Sam Apley (vocal e violino), Adam Burke (guitarra), Tom Wilson (baixo), Max Burnett-Wain (bateria) e Angus Moncrieff (trompete). Se você leu com atenção, percebeu que os instrumentos são um tanto quanto incomuns e, assim, o som que eles fazem também se torna incomum: uma mistura de samba, punk, folk, reggae, rap, e etc, conhecida como Gyp-step. Por favor, não me peçam para explicar exatamente o que isso significa. A própria Natalia diz ser “difícil e demorado explicar esse tipo de música”. Acho que existe um jeito mais fácil, escutar!



Recentemente, a banda veio ao Brasil e se apresentou no Festival Música Pra Todo Mundo no Rio de Janeiro – cidade pela qual Natalia se apaixonou: “Adorei as pessoas, a comida, as cores. Chorei muito quando desembarquei em Londres”.

Foi aí que conheci Natalia. A entrevista que vi na Multishow aconteceu em um barzinho do Rio de Janeiro, com direito a caipirinha. Ela adorou! E só para fofocar um pouco, Natalia comprovou a minha teoria sobre sua naturalidade: contou que só passou no teste para atuar em Harry Potter porque não tinha a mínima noção do que era o Harry Potter, foi fazer o teste como se fosse outro qualquer, nunca tinha lidos os livros e nem assistido aos filmes anteriores e agiu naturalmente, sem pressão. E é assim que eu a vejo na música: livre, leve e solta.

Para conhecer mais sobre a banda e suas músicas, dê um clique aqui. ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário