sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Perks of being

Tiemi Matsumoto


Você lê um livro que parece contar a história da sua vida. Ou descobre aquele protagonista que é a sua inspiração para crescer e mudar. Então, você ouve as músicas citadas no livro e simplesmente se apaixona de novo, de novo e de novo.

Na minha prateleira, The Perks of Being a Wallflower (traduzido para o português como ‘As vantagens de ser invisível’) se tornou esse tipo de livro. O livro conta a história de Charlie que acabou de entrar no ensino médio e como ele encara a vida como um completo desconhecido, tentando encontrar seu próprio caminho em encontros, drogas, amigos e família. Pode parecer uma história como qualquer outra, sobre um carinha numa escola. Eu poderia descrever anos e anos de escola aqui, mas todo mundo sabe o que passou e o que foi terrível ou excelente.



Mas Perks carrega algo que faz você se identificar com o começo da adolescência, quando todos parecem mudar e você tem a sensação de ficar para trás. Fala sobre mudar sem esquecer quem você é e o que você fez.

A trilha sonora traz muito dessa mudança e rebeldia adolescente. A seleção do livro escrito por Stephen Chbosky traz músicas dos anos 60, 70 e 80 que parecem transmitir um pedacinho de cada personagem para mais perto. É como viver o livro. É como a trilha sonora para ser um dos personagens. Como Charlie diz nas páginas iniciais do livro: “I feel infinite”, e cada uma dessas músicas parecem te mergulhar em algo muito além do que você conhece. Talvez sejam as letras ou o ritmo ou uma situação que você esteja passando. Essa playlist está aqui.

Com o lançamento do filme, dirigido por Chbosky, a trilha sonora mudou um pouco, mas continua excelente (e tão memorável quanto a do livro). Eu não vi o filme para saber o quanto ela se encaixa, mas o clima de melancolia, rebeldia e um pouco da loucura da adolescência quase grita em seus ouvidos. A playlist está aqui e você pode admirar (ou criticar, vai entender).
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário