quarta-feira, 18 de julho de 2012

Everything we ask for

Conheça os simpáticos The Maine
Marina Moia*

Foto: Dirk Mai

Quatro de dezembro de 2011. Um dia inesquecível para mim, Marina Moia, e para os mais de 3000 fãs que compareceram ao Citibank Hall de São Paulo naquela noite. Com duas horas de show, a banda The Maine passou pelo Brasil e deixou sua marca, impressionando a todos com a energia de palco e com muita simpatia. Perdeu? Pode ficar tranquilo. Eles voltam no fim do mês de julho para mais uma dose de apresentações em terras brasileiras.

Mas antes, conheça a banda. The Maine surgiu no estado do Arizona, Estados Unidos, em 2007, primeiramente com Pat Kirch (bateria), Garrett Nickelsen (baixo) e John O’Callaghan (voz). Eles contavam ainda com mais dois integrantes, Ryan e Alex, que logo saíram e deram espaço para Kennedy Brock e Jared Monaco, ambos guitarristas e presentes na banda até hoje. The Maine logo caiu na estrada e foi isso que, junto com o EP Stay Up, Get Down, chamou a atenção da gravadora Fearless Records. Ela manteve contato com os rapazes até que eles assinassem um contrato, possibilitando o lançamento de outro EP no mesmo ano, The Way We Talk.

Uma vez contratados, era a hora de entrarem de cabeça no projeto do primeiro álbum, Can’t Stop Won’t Stop. Oito meses depois do lançamento do último EP, o CD já se encontrava nas prateleiras das lojas e também online. Aliás, a internet sempre foi uma das maiores aliadas de The Maine, seja com a disponibilidade das músicas no iTunes ou com o contato direto com os fãs nas redes sociais, como o Myspace e Facebook. Pat sempre ressaltou que a banda se importa com a opinião de seus fãs e que a interação com eles é essencial para a existência e evolução deles.

Can’t Stop Won’t Stop fez sucesso e se destacou nas listas da Billboard, ficando na 40ª posição. A gravadora Warner Bros. Records logo mostrou-se interessada pelo grupo foi responsável pelo lançamento do segundo álbum, Black & White, em 2010. O disco apresenta sutis diferenças de som, comparado com o primeiro trabalho. Apesar de possuir um ritmo puxado mais para o pop, ele também apresenta melodias mais maduras do que os lançamentos anteriores.


The Maine no Brasil

Foto: Rachel Been/Billboard

Em dezembro de 2011, após clamores intensos dos admiradores brasileiros, eles finalmente pisaram na nossa terra, com shows no Rio de Janeiro, Curitiba e São Paulo. Eu tive o prazer de estar presente durante o último show da banda no país, descrito por eles como o mais insano de sua trajetória. A energia deles é surreal, o show é muito animado e os cinco não deixam a desejar. Um dos detalhes que mais me chamou a atenção foi o carinho dos meninos com os fãs. Seja descendo dos seus quartos de hotéis, parando na saída do aeroporto ou simplesmente olhando nos seus olhos enquanto cantam, todos os integrantes fazem questão de retribuir o carinho, o tempo e o dinheiro que as pessoas investem em seus shows e discos.

Pioneer, o mais novo álbum do The Maine, foi lançado quando eles ainda estavam no Brasil e é, de longe, seu projeto mais adulto e evoluído. Com guitarras marcadas e melodias muito bem trabalhadas, a banda desvinculou-se da gravadora e lançou o disco com seu próprio suor e dinheiro. O que, no produto final, mostrou-se como o melhor caminho para eles, que progrediram imensamente desde seu primeiro EP.

The Maine não resistiu aos nossos encantos e volta ao Brasil no fim deste mês para mais uma série de shows e, inclusive, a gravação de um DVD, o primeiro da história da banda. Se você ainda não os conhecia ou não comprou seu ingresso, ainda dá tempo! Ouça as músicas Into Your Arms, Saving Grace e Misery e apaixone-se.


*Marina Moia é estudante de Jornalismo e contribuiu com este post para o Play This Beat.

Nenhum comentário:

Postar um comentário