quarta-feira, 27 de junho de 2012

Destino: Rock'n'Roll

Vanessa Souza

Regravações. Essa é uma questão de certa forma delicada na música. Elas enfurecem os fãs da versão original e podem derrubar um artista ou o consagrar de vez. São poucos os que têm coragem de lançar uma carreira baseada em covers, já que pode pegar mal o fato de uma banda supostamente não ser capaz de compor. Mas se a idéia por trás das regravações é boa, tem tudo para dar certo.

The Baseballs na turnê de seu último álbum.
(Foto: site oficial)
Esse é o caso de um grupo alemão chamado The Baseballs. Os jovens Sam, Basti e Digger (que são conhecidos apenas por esses apelidos) se encontraram ao acaso em um estúdio de Berlin no ano de 2007 e começaram a regravar músicas das décadas de 1950 e 1960. Com essa paixão em comum, não demorou para que eles começassem a pegar canções atuais e mudar o arranjo delas para algo próximo do rock’n’roll, às vezes com umas pitadas de country. Segundo eles, no site oficial da banda, o que fazem é “pegar boas músicas e conduzi-las ao seu verdadeiro destino”.

O primeiro single lançado pelos Baseballs foi a regravação de um dos maiores hits da atualidade: Umbrella, da Rihanna. A versão foi muito bem recebida na Europa, onde entrou para a lista das mais ouvidas em dez países. Na Finlândia, assim como a original, a regravação chegou ao topo das paradas. Outros singles também foram bem sucedidos, como Hot’n’Cold da Katy Perry e Hello do DJ francês Martin Solveig.

O grupo – formado pelos três vocalistas e uma banda de apoio – já lançou três álbuns. O primeiro, Strike!, saiu em 2009. Em 2010, ele foi relançado e recebeu o nome Strike! Back, já que trazia as 12 canções do primeiro disco e um CD bônus com cinco novas versões. O último foi Strings’n’Stripes, que chegou às lojas em 2011.

Entre todas as músicas lançadas, há algumas que parecem não ter sido difícil de transformar em rock’n’roll, mas Hey There Delilah (Plain White T’s) e Angels (Robbie Williams) não ficaram previsíveis (principalmente a primeira, que virou um country).

A maioria, no entanto, são canções que não dá para imaginar numa versão anos 50 antes de ouvir, como Candy Shop (50 Cent), Tik Tok (Kesha), California Gurls (Katy Perry) e Don’t Cha (Pussycat Dolls). O mais surpreendente é que elas ficaram realmente boas e muito distantes da versão original. Quem não gosta de ‘música de rádio’ vai conseguir ouvir essas sem se incomodar.

Outros destaques são a versão melancólica de This Love (Maroon 5) e a introdução de Let’s Get Loud (Jennifer Lopes), em que é quase impossível não achar que a música começando é Hit the Road Jack, famosa na voz de Ray Charles.

As canções escolhidas para fazer parte do projeto foram as mais famosas possíveis. Assim, não é preciso abrir o Youtube o tempo todo para ouvir a versão original e fazer comparações. Mas se você por acaso não conhecia alguma música, vai ter a impressão de que elas foram lançadas há pelo menos quatro décadas (eu estou torcendo agora para que você nunca tenha ouvido Bitch, da Meredith Brooks, para entender bem o que eu estou falando).

O último lançamento da banda foi um DVD ao vivo, chamado Strings'n'Stripes Live, em maio deste ano. Ainda não há previsão de que ele chegue aqui no Brasil, então, enquanto isso, ouça algumas regravações feitas pelos Baseballs nesta playlist:

2 comentários:

  1. Vanessa, texto divulgado! Ah só divulgo os textos que gosto bastante, beijos.

    ResponderExcluir