quinta-feira, 24 de maio de 2012

Densidade em subsolo

Amanda Melo

(Foto: Beto Figueroa/Divulgação)

O som cru dos passos, a morbidez de naturezas mortas, o grito de folhas secas. É o encontro do céu com o chão e de acordes mudos com mãos tortas. “O chão quando foge dos pés, tudo perde a gravidade”. Tudo a um palmo, o palco, o chão da cidade.

No fio da respiração à melodia, copas são densas, tempo inexiste. O mantra não é sereno, mas quase. Enquanto o canto dos pássaros se mistura à rudeza de metrópoles, há espaço para o cantarolar leve de um suposto cantor amante e o sussurar do público que o observa. “A chama, o sumo, a soma, o tema” se entrelaça à obscuridade de ruas que abrigam loucos, fartos, contos, fatos. Bebe, chora, cresce, nasce, remoi, mastiga. “Seres estranhos”.

“A cantoria que me levaria a qualquer lugar,
A melodia que transformaria a quem escutar”


Em um vivo quadro logo em frente, com chão e cabeças iluminados, a melodia quebra, distorce, cadencia e desvia as trajetórias do refrão que não se fez, da paz que não se encontra. Dissonância e vazio em uma canção. Uma, e só. O grito do nordestino que foge e transgride a própria cria, enverga e não quebra, ginga e força a nota que parece não caber, experimenta a negação de acomodados.

O Leão do Norte em seu reduto esconde o sorriso e fala de malvadeza com a eloquência de um orador. O Chão do bandolim enfurecido, das guitarras distorcidas, de alarmes, tropeços, cadências, profundidades. O som se traduz com certo embaraço em linhas que crescem com certa estranheza. De onde vêm palavras? De onde vem a canção? “Já nasce pronta”, “o vento é que inventa”, “do nada se concretiza”.

A frequência que abandona a boca confunde ouvidos desconfiados, sobrancelhas franzidas, perfura lugares inusitados. Contato primeiro é áspero, e “é só o começo”.

“Meu canto eu lanço, não meço
Minha rima eu arremesso
Pra que nada fique intacto”

Chão by Lenine on Grooveshark

Um comentário:

  1. Perfeito, parabéns. Também adoro o trabalho de lenine e você fez um belo trocadilho com alguns trechos de musica dele mais algumas de suas palavras você faz uma "ponte até onde vai o seu pensamento".

    ResponderExcluir