terça-feira, 17 de abril de 2012

Rock around the clock


Exposição sobre o rock ficará em São Paulo até o dia 27 de maio.

Mayara Abreu Mendes

No dia 04 de abril, uma exposição nunca antes feita no Brasil e a maior já realizada na América Latina chegou à Oca, em São Paulo. Já foram feitas exposições sobre MPB, Bossa Nova, Samba e muitos outros estilos musicais, mas é a primeira vez que falam sobre rock, um dos estilos mais amados pelo mundo (se não for o mais amado), por aqui.  

Entrada da exposição. Arquivo pessoal.
A Let's Rock foi idealizada pela produtora de eventos Hey Ho! Entretenimento e demorou cerca de dois anos para ser colocada em prática. Foi necessário o apoio de artistas, colecionadores e museus do exterior para que o acervo da exposição pudesse ser o mais vasto possível, contando com itens que variam de um par de tênis do Chorão, da banda Charlie Brown Jr., passando por matérias da revista Capricho falando de cada um dos Beatles e chegando a instrumentos autografados por artistas já falecidos.

A exposição não tinha a pretensão de ser didática, apesar do recorte escolhido pelo curador José Antonio Algodoal. "A idéia da curadoria juntamente com a equipe de realização era que fosse uma exposição de uma experiência rock 'n' roll" é o que disse Rogério Effori, o diretor do evento, para mim, em entrevista. É possível perceber isso ao ver que os 4 andares da Oca, que juntos dão mais de 10 mil m², estão completamente dinâmicos e interligados.

A exposição

Capas da Rolling Stone. Arquivo pessoal.
Ao entrar na exposição, há uma enorme área destinada para as capas mais marcantes da revista Rolling Stone, tanto da internacional como da nacional. É nesse andar que fica, também, uma linha do tempo com fotos e textos sobre a história das décadas do rock. São 20 metros de túnel com os painéis e com telões que mostram as capas mais marcantes de cada ano aleatoriamente. Além disso, foi criado um espaço em parceria com a Tagima - fabricante de instrumentos musicais - em que qualquer visitante pode pegar um violão ou uma guitarra e tocar à vontade. Há amplificadores para aqueles que quiserem se arriscar musicalmente, mas há fones de ouvido para quem não for tão corajoso assim. 

Ambiente anos 60. Arquivo pessoal.
No andar subsolo, há fotos dos fotógrafos renomados M. Rossi, Bob Gruen e Otavio Sousa. Junto das fotos, foram criados ambientes com imagens e capas de discos marcantes divididos entre as décadas do rock. Dentro de cada ambiente, há uma playlist tocando músicas da época e você pode ficar lá, sentado e curtindo o som. Também existem duas curiosidades da exposição: um porco inflável gigante que faz alusão à capa de Animals, do Pink Floyd, e uma foto panorâmica do show de 2006 dos Rolling Stones em Copacabana. No subsolo fica o auditório em que ocorrem todas as apresentações de documentários e filmes, palestras, workshops e os pocket shows. A programação completa está no site oficial da exposição. 

O andar que reúne objetos, roupas, capas de disco e diversas outras curiosidades sobre bandas e estilos é o primeiro. É lá que você vai encontrar todos os movimentos e momentos do rock, desde Blues e Country até o Metal, passando pelo Grunge, New Wave e Surf Rock. Artistas como David Bowie, Bon Jovi, Elvis Presley, The Beatles, U2, Pitty, Titãs, Queen, Barão Vermelho e muitos outros que marcaram a história estão lá representados.

Dois dos quatro painéis sobre Beatles. Arquivo pessoal.
O segundo andar é destinado a Let's Rock Experience, shows musicais, porém com a visão do público. Você pode deitar em puffs espalhados pelo ambiente, colocar um fone e curtir um show como se estivesse presente. A idéia é fazer uma imersão sensorial e foi criada por um dos parceiros da Hey Ho!, o British Music Experience.

Funcionamento e planos futuros

Para visitar a exposição, basta ir até o Parque do Ibirapuera em São Paulo e dirigir-se à Oca. Mas só faça isso entre terça e domingo, das 10 da manhã até às 10 da noite e até o dia 27 de maio, ou você não terá acesso a nada. Se você for estudante ou idoso, leve um comprovante para pagar 10 reais, ou então pague o valor de entradas regulares, que é 20 reais. Caso vá de carro, gastará 3 reais a cada duas horas com Zona Azul no estacionamento do Parque. 

Ainda não há certeza se a Let's Rock! passará por outras cidades do Brasil, mas Rogério Effori contou que "a idéia é que Let's Rock! continue e viaje, sim". Dentre os diversos convites feitos, um deles é para a ala brasileira do evento ir para Londres.

Se você mora em São Paulo ou pretende passar por lá, não deixe de vivenciar um pouco de rock!

Um comentário:

  1. A exposição está sensacional e sua matéria ficou muito boa!

    ResponderExcluir