quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Frenesi performático

Amanda Lima

Religar (2011)
A fusão de experimentalismos, elementos eletrônicos e sons orgânicos habitam o universo musical de Leo Cavalcanti. Depois de um demo intitulado Ao Leo (2008), o músico paulistano lançou, no ano passado, seu primeiro disco de estúdio, Religar

Explorando ritmos, estilos e sonoridades distintas, Leo Cavalcanti apresenta-se como mais um artista que eterniza e recria a Música Popular Brasileira. Apesar da carreira curta, nomes grandes como Caetano Veloso e Adriana Calcanhoto já mostraram admiração pelo músico. Em entrevista a O Globo, Arnaldo Antunes afirmou que o disco de Leo é diferente de tudo o que já ouviu. “Fiquei surpreso com o acabamento do disco, com a sua densidade, suas camadas”, destacou. 

Em certos aspectos do disco, a unicidade destacada por Arnaldo Antunes é marcante. As programações eletrônicas misturam-se a violões suaves como os de Noel Rosa ou agitados e dançantes como os de Roque Ferreira. E, para tornar o caldo ainda mais deliciosamente heterogêneo, o álbum agrega percussões que remetem a ritmos africanos e traços do flamenco. Defini-lo como pertencente a determinado estilo musical é algo complexo e, inevitavelmente, um tanto inexato. Tentativas de fazê-lo resultaram nos termos 'pop metafísico' e 'pop transcendental'.

(Foto: Paulo Bueno)
Em Dissabor, quinta faixa do disco, colagens sonoras revelam diálogos do filme Deus e o Diabo na Terra do Sol, do cineasta cinemanovista Glauber Rocha. A canção seguinte, Sem (Des)esperar, de que participa Tulipa Ruiz, apresenta leveza sonora e melodia sedutora. Religar caracteriza-se pela produção meticulosa e única de cada faixa, como se cada uma representasse um trabalho completo.

Performático, Leo Cavalcanti parece transcender sobre os palcos, como se estivesse em frenesi. Luzes, cores e danças remontam, em componentes visuais, tudo aquilo que está materializado no disco. Versos filosóficos permeiam toda a obra. Em Ouvidos Ao Mistério e Acaso, somam-se à exploração de harmonias e timbres distintos.

Religar pode ser ouvido na íntegra através do site oficial de Leo Cavalcanti.

Alguns versos de um poema presente no Livro do Desassossego, de Bernardo Soares (heterônimo de Fernando Pessoa), são declamados em Soldado. Assista ao vídeo e inspire-se com a força quase teatral que o ambiente do show exerce.


Nenhum comentário:

Postar um comentário