domingo, 18 de dezembro de 2011

Entre o novo e o erudito

Symphony and Metallica -  uma parceria que inovou os conceitos de "rock" e de "clássico"

Marina Rosanese

Capa do álbum S&M.
Fonte: Universal
Para o especial de Dezembro, que trata de parceiras feitas no mundo da música, eu escolhi uma que fez com que eu mudasse meus conceitos sobre uma banda que há alguns anos não me atraía. Trata-se da parceria entre o Metallica e a San Francisco Symphony para a realização de um show no Berkeley Community Theatre em Abril de 1999. 

Um dia me falaram sobre o suposto show que o Metallica fez com a Sinfonia de São Francisco, abreviado pela banda como S&M (Symphony and Metallica). Confesso que fiquei extremamente curiosa para assistir ao DVD. "Pera aí. O Metallica fez um show com uma orquestra? O Metallica? Aquela banda que tem o James, as músicas de heavy metal?". Sim. Era isso mesmo. Assisti e logo me apaixonei. 

O show se inicia apenas com a orquestra, conduzida pelo maestro  Michael Kamen, que também foi quem compôs os acompanhamentos sinfônicos. A música de abertura é uma versão de The Ecstasy of Gold, seguida de The Call of Ktulu. Durante a performance de The Call of Ktulu, o Metallica entra no palco e introduz os sons da guitarra de James Hetfield na canção de aspecto erudito. Em seguida, Lars Ulrich introduz as batidas marcantes da bateria. E começa a mágica. 



De acordo com James Hetfield, a ideia de combinar as músicas de heavy metal do Metallica com um som mais épico de uma orquestra foi do baixista Cliff Burton. James explica que Burton sempre foi apaixonado por música clássica e, inclusive, incorporou essa influência em algumas canções ao longo da carreira da banda.

Após a introdução vem a clássica Master Of Puppets, seguida de outras músicas que não poderiam faltar, como, por exemplo, Fuel, The Memory Remains, Nothing Else Matters e muitas outras. Mas eu destaco uma por ser a minha preferida deste show. 

Falo de Devil's Dance e o motivo pelo qual a cito é o fato de ser uma música que eu gostava antes e nunca a imaginaria sendo tocada com uma orquestra. A canção possui melodia e letra bem sensuais e o que proporcionava tal sensualidade era exatamente o som da guitarra. No entanto, o novo arranjo com som de violino conseguiu manter ou, até mesmo, enfatizar, o caráter provocante da composição. Ouça abaixo.

Devil's Dance by Metallica on Grooveshark

É necessário destacar que o que proporcionou essa incorporação de um arranjo clássico às músicas do Metallica foi o fato de que elas possuem uma músicalidade e uma composição bem elaborada. Os riffs e os solos do Metallica possuem um nível de elaboração e complexidade que possibilitam que sejam tocados em um violino e pareçam que foram feitos para aquele arranjo. O fato é que, seja em um violino, uma guitarra ou, quem sabe um ukulele, a música do Metallica será boa. 

Procure na Internet, faça o download do show, compre o DVD, mas assista a esta parceria que marcou a história dos shows do Rock N' Roll. Só para começar, fique com a tradicional Master Of Puppets, um dos destaques de S&M.

2 comentários:

  1. Lindo demais!
    A música clássica é do maravilhoso Ènio Morricone.
    Sugiro que façam um post sobre ele.
    Ana Márcia

    ResponderExcluir
  2. Um dos melhores álbuns ao vivo da história do Heavy Metal.

    ResponderExcluir