quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Visto musical, passaporte brasileiro

Amanda Lima

É muito comum artistas brasileiros interpretarem músicas de seus ídolos europeus, norte-americanos ou de qualquer outra parte do mundo. E, ao contrário do que muitos possam pensar, o inverso também acontece. A música brasileira é bastante valorizada no exterior e dessa admiração surgiram versões muito boas e que precisam ser apreciadas.

Já dizia Vinicius de Moraes: “Ponha um pouco de amor numa cadência/E vai ver que ninguém no mundo vence/A beleza que tem um samba, não”. E não só o samba, mas essa ‘brasilidade’ que só mesmo a nossa música poderia ter. Conheça cinco versões de artistas estrangeiros para músicas brasileiras:

A primeira é uma grande união de nacionalidades. London, London, de Caetano Veloso, foi interpretada pela cantora e compositora paulistana Cibelle e está presente no disco The Shine of Dried Electric Leaves. O cover teve a participação de Devendra Banhart, norte-americano extremamente envolvido com a música brasileira. Tudo o que ele faz tem um quê de Caetano, uma de suas principais influências.

London, London, nas vozes de Cibelle e Devendra, ganhou também um clipe:


Quando se fala em Caetano, são inúmeros os exemplos de versões feitas por artistas das mais variadas nacionalidades. Não posso deixar de citar outro cover de uma de suas músicas: O Leãozinho, interpretada por Beirut, a orquestra de Zach Condon. A versão já havia sido apresentada em shows e, em julho deste ano, foi lançada como parte do álbum duplo Red Hot + Rio 2. Trata-se da segunda edição do projeto promovido pela Red Hot Organization, que há mais de vinte anos lança álbuns, programas de televisão e várias produções culturais, angariando fundos para o combate à Aids.

Em Red Hot + Rio, foi feita uma homenagem à Bossa Nova. A segunda coletânea tem como tema a Tropicália, e, além de Beirut, participam Beck, Seu Jorge, Rodrigo Amarante, Céu, Otto, Marisa Monte, entre outros grandes nomes. Para ouvir o disco online, acesse o site NPR Music.

Impossível que o sotaque de Zach não arranque um sorrisinho seu. Assista ao vídeo do Beirut tocando O Leãozinho na RH Loft Party, ocorrida em março deste ano:


Maestro, compositor, músico, cantor e arranjador. O mestre Tom Jobim é um dos principais nomes da música brasileira e são de composições dele os próximos dois covers: Águas de Março, que já foi eleita a melhor canção brasileira de todos os tempos, e Desafinado, ícone da Bossa Nova. As versões são de Damien Rice e Lisa Hannigan para a trilha sonora do filme irlandês Goldfish Memory, de 2003.


E, para terminar, uma versão em francês de Samba da Bênção, de Baden Powell e Vinicius de Moraes, pertencente à trilha sonora do filme Un homme et une femme (Um homem e uma mulher), de 1966. A música foi arranjada para o longa por Francis Lai, e a letra em francês é de Pierre Barouh.

Nenhum comentário:

Postar um comentário