terça-feira, 29 de novembro de 2011

Caught in a trap

Mayara Abreu Mendes

Sentados numa mesa estavam os dois. O homem cabisbaixo, a mulher impaciente. Ele odiava mudanças, ela precisava desesperadamente mudar. Os dois tinham uma longa história juntos, mas ela não era feliz para nenhum deles.

Todos sempre souberam que o sentimento dele era muito mais forte e verdadeiro do que o dela. Ele dizia para Deus, o mundo e quem mais pudesse ouvir o quão puro e sincero era o amor que ele sentia por ela. Já ela nunca tinha proferido as tais das três palavras que, para ela, eram pesadas e ilusórias.

Ele nunca tirou os olhos dela para olhar para nenhuma mulher mais gostosa ou mais sensual do que ela. Já ela nunca conseguia olhar no fundo dos olhos dele. Desconfiança, medo, insegurança, falta de vontade. Ele era a madeira, ela era o martelo. Tudo que faltava para tudo dar errado era um prego, e ela o trouxe.

Para ela, não passou de um pequeno deslize, "acontece com qualquer um". Para ele, foi um furo irreparável, impossível de remediar. Ele tentou lutar contra tudo isso e fazer o amor sobreviver, mas ela queria mesmo era deixar tudo morrer. Foi quando na última desfibrilação a descarga elétrica não foi suficiente e tudo que pudemos ouvir foi o triste som de um coração morto.


Texto inspirado na música Suspicious Minds, de Elvis Presley.



2 comentários:

  1. Má, você arrasou!!!!! Adorei a música e seu post, mandou bem demais. Ah! Elvis é simplesmente Elvis, sem comentários.

    ResponderExcluir