sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Banda Nuda: caldeirão de influências sonoras


Carolina Baldin Meira

Arranjos musicais inovadores e sincretismo de sons e estilos. É assim que a banda Nuda, de Recife, consegue destaque em suas performances. O grupo surgiu em 2006 e é composto pelos músicos Raphiro (voz e guitarra), Henrique (baixo e voz), Arthur (guitarra e voz) e Antonio Marques (bateria).

A música da banda pode ser traduzida como um rock que recorre a muitos outros estilos: samba, tango, reggae, bossa nova e a riquíssima tradição do ritmo nordestino. Em suas canções, os recifenses misturam jogos de palavras com melodias que cativam pela coragem e beleza.

O primeiro EP da banda foi lançado em 2008 com o nome de Menos Cor, Mais Quem. Em 2011, a banda Nuda lançou seu álbum de estréia, Amarénenhuma, resultado de um ano intenso de dedicação.

O vocalista Raphiro em apresentação (Créditos: nuda.com.br)
Em um bate papo descontraído, o vocalista Raphiro conta sobre sua infância e revela que as influências musicais fazem da banda Nuda um grande caldeirão de misturas. Confira a entrevista abaixo:


Quando surgiu o seu interesse por música?

Eu devia ter uns 10 anos e o Michael Jackson estava para lançar o clipe de Black or White. Eu vi aquilo ali e pirei completamente. Foi minha primeira grande paixão por música mesmo, eu fiquei absolutamente fascinado pelo universo e pelo trabalho do cara.

Quais são as principais influências musicais de vocês?

Acho que hoje em dia é normal a gente observar em várias bandas – até por essa coisa de internet e tal – uma mistura de elementos que antes não era tão comum. A Nuda é mais uma dessas bandas com um grande caldeirão de influências, que vão desde os grandes mestres brasileiros (Gilberto Gil, Elis Regina, Caetano Veloso, Chico Buarque) até muitos grupos de fora (Metallica, Queens of the Stone Age, Tame Impala). A gente se surpreende descobrindo coisas bacanas e ricas até do sertão pernambucano.

Quem é responsável pelas composições da banda? E quais são os temas mais recorrentes?


O principal compositor da Nuda é Roberto Scalia, ex-baterista e percussionista da banda. Ele deixou o grupo como instrumentista, mas continua compondo e participando. Quanto aos temas, não sei dizer necessariamente um principal, mas acho que no último CD que lançamos agora, Amarénenhuma, a gente tentou colocar um pouco a nossa forma humilde de ver a humanidade. As músicas trazem coisas felizes, despretensiosas, pesadas ou tristes. Tentamos trabalhar com a ideia de desapego, de não criar muita expectativa nem pra banda nem pra nossa vida. Porque daí a gente evita criar falsas ilusões e não tende a se frustrar, sabe?
A banda recifense Nuda no SESC de Bauru (Créditos: nuda.com.br)

De onde surgiu a ideia para o nome do CD, Amarénhuma?


O nome do disco é um resumo de tudo isso que a banda busca: se entregar nessa maré qualquer. É a ideia de que talvez a vida seja um pouco mais leve se você deixar se levar de uma forma mais tranquila, sem se preocupar com o amanhã, sem especular se algo vai ou não acontecer. É uma procura por diferentes formas de desapego.

Qual o papel do rock nordestino no atual cenário da música brasileira?

Eu acho que a gente passou por um momento muito forte na década de 90 com o movimento manguebeat. Essa vertente trouxe uma visibilidade maior pra Pernambuco, mas ao mesmo tempo trouxe seu lado meio negativo de criar um fardo, um estereótipo e uma certa cobrança de que todas as bandas pernambucanas deveriam tocar esse estilo. Mas eu acho que hoje esse fantasma, esse medo ou preocupação de parecer distante das raízes já diminuíram, o que fez com que surgissem bandas com estilo próprio, sem querer fazer tributo ao passado e sem querer se distanciar também. Existem bandas, atualmente, de personalidade bem interessante em Pernambuco. É uma cena muito rica e renovada no nordeste como um todo: tem a banda Burro Morto (Paraíba), Joseph Tourton (Recife), Feiticeiro Julião (Recife), China, Mombojó e muitos outros grupos. Cada uma dessas bandas tem suas particularidades, acho que tá nascendo um movimento musical pernambucano sem precisar ter uma característica específica sonora. É um momento muito massa, muito valioso.

Misturando manifestações multiculturais a contrastes sociais através de uma linguagem musical e poética, a banda Nuda é um ótimo exemplo das bandas atuais que enriquecem o cenário nacional. Não perca a chance de ouvir o som dos caras: acesse o site oficial e faça o download gratuito do álbum de estréia do grupo, Amarénenhuma. Confira a performance da música que dá nome ao disco:

Nenhum comentário:

Postar um comentário