sexta-feira, 21 de outubro de 2011

“O chefe mais legal do mundo”

Com muita simpatia, ousadia e vocabulário objetivo, Pablo Miyazawa fala sobre sua trajetória, hoje como editor-chefe de uma revista de grande influência

Amanda Lima
Carolina Rodrigues
Marina Rosanese

Pablo Miyazawa em palestra à Unesp de Bauru
(Foto: Diego Melo/Jornal Jr.)
Em palestra durante a Semana de Jornal da Unesp de Bauru, o jornalista Pablo Miyazawa* falou sobre a experiência de trabalhar em uma revista. “Ela é um artesanato bem elaborado, que necessita de maior tempo de produção, mas é mais completa”. Contou ainda sua trajetória até chegar à editoria-chefe da Rolling Stone. “Comecei vendendo LPs em uma loja só para colecionadores por um ano, e isso me deu uma ótima experiência. Tive contato com muitos clássicos da música”.

Pablo é repórter e editor-chefe da Rolling Stone Brasil, então as matérias que escreve são de escolha própria. “Procuro falar sobre coisas que eu tenho um mínimo interesse e pelas quais eu não tenho ódio mortal”, diz. É assim que Pablo Miyazawa explica a seleção de suas pautas. Ele ainda brinca: “é claro que não sou eu que me edito, né?”

Durante a palestra, Miyazawa comentou a falta de discernimento de alguns críticos da música, e reforçou dizendo que muitos elegem um grande álbum ou banda sem nunca tê-los escutado atenciosamente. Aproveitando a oportunidade, nós, do Play This Beat, perguntamos ao jornalista sobre o seu gosto musical, e se ele saberia eleger o melhor álbum ou a melhor banda.

“É difícil dizer. Faz só cinco anos que trabalho com música. A parte boa de trabalhar com isso é que você escuta produções novas e muda de opinião todo dia. Tenho minhas convicções, lógico. Eu coloco os Beatles lá em cima, meio distante de qualquer outra banda”, afirma Pablo. Ele ainda completa dizendo que tenta se manter o mais fiel possível à sua opinião inicial a respeito de um disco.

“Eu comecei como um nome completamente desconhecido do ramo da música. Mas estou na equipe desde o começo da revista no Brasil. Entrei como editor e senti o peso de trabalhar em um grande veículo desde o início. Logo percebi que não ia ser um mar de rosas. Nos primeiros dois anos de Rolling Stone, eu trabalhei mais do que nunca, mas o trabalho final, de ver a revista pronta nas bancas, sempre vale a pena”, declara Pablo.

Miyazawa conta também que no meio musical é muito fácil “ir na onda” de todo mundo. Apesar de o veículo - no caso, a revista Rolling Stone - ter personalidade própria, o fato de toda a mídia falar sobre determinado assunto, banda ou artista, fará com que o veículo seja induzido a tratar daquilo também.

Como exemplo, Pablo confessou certo desapontamento ao ver na capa da Rolling Stone personalidades como o Faustão, Deborah Secco, a ex-BBB Grazi Massafera ou Lady Gaga. Porém, ao ver as revistas publicadas, percebeu como aquilo funcionava e era rentável. “A Rolling Stone tem a permissão, a autoridade, para falar de todos os assuntos”, explica. “Nós tentamos abordar vários temas, precisamos de entretenimento para vender também”. 

Com muito bom humor, Pablo mostra a rotina muitas vezes frustrante, quase sempre corrida, porém gratificante, de um jornalista. E conta, de maneira simples e objetiva, sua vida como editor-chefe. “Eu sou o chefe mais legal do mundo e os repórteres ainda ficam com cara de cu?”, brinca. Ele ressalta que a revista tem certa flexibilidade na produção de reportagens por ser mensal, mas que mesmo assim a correria e o cansaço sempre estão presentes.

A Rolling Stone Brasil possui também sua versão virtual. Pablo conta que eles procuram manter uma sinergia entre o site e a revista. “A equipe é a mesma. Em qualquer lugar que o leitor acesse nossa marca, ele vai ter o conteúdo com a mesma qualidade. Só que às vezes as matérias do site são menores. A revista nos dá muito mais espaço”.

Descontraído, simpático e bem humorado, Pablo Miyazawa rompe qualquer estereótipo de editor sisudo que mantém distância em relação a repórteres, público-alvo e, até mesmo, jornalistas em formação como nós, do Play This Beat.

*Pablo Miyazawa se formou na PUC-SP, já foi repórter das revistas EGM Brasil, Herói e Nintendo World, e hoje é editor-chefe da Rolling Stone Brasil e autor do blog Gamer.br

4 comentários:

  1. Over the top, meninas. Muito bom mesmo, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, meninas... Excelente cobertura!!! Parabéns, de verdade.
    Pablo Miyazawa é um excelente profissional e demonstrou ser uma excelente pessoa.

    ResponderExcluir