domingo, 30 de outubro de 2011

Egos explosivos e canções de amor

Enquanto os irmãos Gallagher não conseguem entrar em um acordo sobre reunião do Oasis, Noel lança seu primeiro disco fora da banda.

Vanessa Souza

Em meio a novas brigas e um processo – já retirado – feito por Liam contra Noel por causa de declarações deste último em uma coletiva de imprensa, os irmãos Gallagher andaram comentando publicamente que uma volta em 2015 da banda inglesa Oasis pudesse ser considerada.

No entanto, o ego dos irmãos é tão grande que eles não conseguem concordar em algo que os dois, supostamente, querem. Em agosto, Noel disse a uma estação de rádio que é uma pena que canções como Champagne Supernova, Rock ’n’ Roll Star e The Importance of Being Idle nunca mais sejam tocadas em estádios e que o retorno do grupo não seria ruim. Nessa ocasião, Liam disse que a idéia o fazia querer “vomitar”. Em outubro, Liam declarou à Rolling Stone que aceitaria uma reunião da banda para fazer uma turnê em comemoração ao 20º aniversário do álbum (What’s the Story) Morning Glory?, lançado em 1995. Foi então a vez de Noel recusar e dizer que sua volta à banda está descartada.

Enquanto o destino do grupo inglês segue incerto (consideradas as personalidades voláteis dos irmãos compositores), Noel Gallagher lança seu primeiro álbum de inéditas. Alguns o consideram solo, mas é bom lembrar que o guitarrista e cantor chamou o antigo pianista do Oasis (Mike Rowe), o baterista do Lemom Trees (Jeremy Stacey), o baixista do Zutons (Russell Pritchard) e um percussionista (Lenny Castro) para formar o Noel Gallagher’s High Flying Birds. A capa do álbum homônimo, no entanto, leva uma foto distorcida só do vocalista.

O álbum Noel Gallagher's High Flying Birds foi lançado no dia 17 de outubro.

O britpop que Noel mostrou em suas composições para o Oasis não o abandonou, mesmo que Noel Gallagher’s High Flying Birds não passe perto de ser ‘mais do mesmo’. O disco começa com a orquestrada Everybody’s on the Run, que parece suplicar pelo não-término de um relacionamento. A terceira faixa, If I Had a Gun, é uma declaração de amor acompanhada de um clima mais calmo, com piano e violão. Não é difícil se apaixonar por essa música.

The Death of You and Me, escolhida como primeiro single do álbum, pode trazer uma lembrança da música de 2005 do Oasis The Importance of Being Idle, mas não demora até que ela siga seu rumo e se torne única. Soldier Boys and Jesus Freaks é uma das únicas canções com conotação política de Noel, seguida pela romântica AKA...Broken Arrow.

O álbum vai chegando ao fim com um ar de promessa cumprida. Noel encerra o disco com uma música composta por ele em 2001, Stop the Clocks. Ele contou, um ano depois, que ela foi escrita sobre um sonho que ele teve. O questionamento presente na letra é complexo: se ele estivesse morto, como ele saberia?

Os clipes que saíram do álbum também são outro detalhe interessante: The Death of You and Me, If I Had a Gun e AKA...What a Life! contam uma história. Para começar, assista à primeira parte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário