sábado, 29 de outubro de 2011

Dançando com Björk

Carolina Ito

A trilha sonora do musical Dançando no Escuro ajuda a contar a história de Selma Jezkova, uma imigrante tcheca que trabalha como operária numa fábrica americana. Dois problemas acompanham a personagem ao longo do filme: o primeiro é a cegueira gradativa causada por uma doença hereditária. O segundo é que Selma tem um filho, Gene, que também irá desenvolver a doença caso não faça uma cirurgia.

A cantora islandesa Björk foi escolhida para interpretar essa operária que guarda tudo o que ganha para pagar a cirurgia do filho.­­ Mas não pense que ela aceitou o papel facilmente. Antes do filme ser lançado em 2000, Björk já preparava a trilha há pelo menos dois anos, a pedido do diretor francês Lars Von Trier (o mesmo de Dogville e O Anti-Cristo). No fim, ele julgou que Björk seria a pessoa certa para interpretar Selma e teve de convencê-la a atuar pela primeira vez. O diretor estava certo e o resultado veio em Cannes, com os prêmios de melhor atriz e melhor filme.

Musical é um negócio complicado... A sentença comum é “ame ou odeie”. Digamos que em Dançando no Escuro essas sensações se misturam.  Uma das cenas que mostra bem isso é a que Selma e Jeff (Peter Stormare) começam a cantar dentro de um trem, observando pessoas que simulam cenas do cotidiano de maneira coreografada, como se tudo fosse escancaradamente falso. Se isso não provoca ódio, pelo menos é incômodo.

Mas essa é a sacada de Lars Von Trier. Ao mesmo tempo em que ironiza a falsidade dos musicais, nos faz perguntar “um filme tem que ser coerente com a realidade?”. A trilha sonora composta por Björk (que virou um álbum chamado Selmasongs) ajuda a construir esse ambiente de contradições, além de ressaltar a dramaticidade do enredo. Thom Yorke, vocalista do Radiohead, também participa em dueto com Björk na canção I’ve seen it all, que toca na cena do trem descrita acima.

No (anti)musical de Lars Von Trier, você é convidado a entrar num jogo onde tudo é artificial, menos as sensações provocadas ao longo dos 100 minutos de filme. Dançar no escuro ao som de uma trilha arrebatadora é outra proposta.

Veja a cena do filme com a música I've seen it all:



Nenhum comentário:

Postar um comentário