segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Who wants to live forever

Homenagem aos 65 anos de Freddie Mercury

Carolina Baldin Meira

Dono de uma voz potente e de um timbre único, o vocalista da banda de rock britânica Queen marcou gerações. Se estivesse vivo, Farrokh Bulsara – que adotou Freddie Mercury como nome artístico – completaria 65 anos nesta segunda feira, dia 5 de setembro.

Filho de pais indianos e nascido na ilha de Zanzibar, na Tanzânia, Freddie entrou no mundo da música ainda jovem, aos sete anos, através de aulas de piano. Viveu a infância na Índia e aos 18 anos se mudou com a família para a Inglaterra, onde frequentou a Ealing Art College e se formou em Design Gráfico e Artístico.

Foi na universidade que Mercury conheceu o baterista Roger Taylor e o guitarrista Brian May, e juntos montaram uma banda de rock. Posteriormente, o baixista John Deacon se juntaria aos amigos: estava pronta a formação original do Queen.

Durante a década de 70, a banda Queen foi considerada uma das mais importantes no cenário do rock progressivo mundial. Nos tempos de ouro, Freddie embalava multidões e lotava estádios com suas performances que ultrapassavam o simples entretenimento musical e atingiam a arte.

Mercury foi um excelente dançarino, e seu gosto pelo ballet e pelo teatro ajudaram a consagrar o Queen no gênero musical de ópera rock. Foi neste período também que Freddie conheceu Mary Austin, considerada o grande amor de sua vida, com quem morou por cinco anos e a quem deixou grande parte de sua herança.


Em uma onda crescente de sucesso, o Queen chega aos anos 80 a todo vapor: a banda realizou neste período uma série de turnês mundiais. Em janeiro de 85, a banda veio ao Brasil para o evento Rock In Rio, e se apresentou para um público de nada mais, nada menos do que 250 mil pessoas.

A imagem de Freddie na década de 80 foi marcada por seu característico bigode, cabelos curtos e roupas customizadas. Foi neste momento da vida que o cantor assumiu sua bissexualidade.

Freddie Mercury, além de personalidade e ícone popular, era também um excelente compositor, e escreveu algumas das músicas mais famosas do Queen, como Bohemian Rapsody, We Are The Champions e Somebody To Love. O cantor chegou a lançar dois discos solo, Mr. Bad Guy em 84 e Barcelona em 88, ambos bem aceitos pelo público e pela crítica.

Em 1991, o mundo se chocou com a notícia da doença de Mercury: o artista revelou ser portador do vírus da AIDS, e, no dia 24 de novembro do mesmo ano, veio a falecer.

Na data que deveria ser o seu 65º aniversário, as pessoas se mobilizaram para relembrar o grande ídolo que Freddie Mercury foi. Entre as homenagens, ganhou destaque o vídeo que o site de buscas Google colocou em sua página inicial, fazendo referências aos grandes momentos da carreira do cantor.

Freddie Mercury é uma daquelas personalidades raras na esfera musical: artista completo, ícone fashion, talento nato e sucesso atemporal. Respondendo à pergunta "Quem quer viver para sempre?", digo com certeza absoluta que, para o mundo da música, Freddie Mercury é  imortal.

Confira abaixo o vídeo da música Don't Stop Me Now, um dos grandes sucessos do grupo:

Um comentário: