quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A ansiedade chega ao fim

Depois de vazar na internet duas semanas antes do lançamento, novo álbum do blink-182 chega às lojas.

Vanessa Souza

2870 dias. Esse foi o tempo que o blink-182 (sim, com letra minúscula – já prestaram atenção em como os integrantes escrevem?) deixou seus fãs esperando por um novo disco de inéditas. Quase oito anos depois, a espera acabou: Neighborhoods chegou às lojas ontem, dia 27 de setembro.

A separação

Para quem não se lembra bem, a banda entrou em hiatus por tempo indefinido em fevereiro de 2005. Em novembro do mesmo ano, eles lançaram o álbum Greatest Hits, onde a única faixa inédita (ou nem tanto, considerando que ela saiu na versão britânica do álbum anterior) foi Not Now. O clipe que a música ganhou trazia imagens de shows e vídeos feitos pela banda, além de partes de clipes anteriores. Uma despedida.

Nos quatro anos que a banda ficou separada, os integrantes se envolveram em vários projetos: Mark Hoppus, baixista e vocalista, e Travis Barker, baterista, montaram a banda +44. Enquanto isso, o guitarrista Tom DeLonge investiu em sua banda Angels and Airwaves e, com ela, lançou três álbuns. Mark também produziu discos de outras bandas e Travis se envolveu em projetos de outros tipos de música. Um deles, o TRV$DJAM, parceria com o DJ AM, era o projeto em que ele estava trabalhando quando um acidente de avião, em 2008, deixou-o seriamente ferido.

Muitos creditam esse acontecimento como o motivo pelo qual os três integrantes do blink-182 voltaram a se falar. Em fevereiro de 2009, na 51ª edição dos Grammy Awards, eles finalmente anunciaram que estavam de volta à ativa.

O álbum

Os dois últimos anos foram de alguns shows para o blink ‘voltar à forma’. Foi aí que eles começaram a apresentar as canções inéditas que viriam a integrar o novo álbum. No começo de setembro deste ano, o primeiro single do novo disco foi ao ar na internet. Up All Night foi a música escolhida e o clipe mostra um bairro onde todos os pais sumiram e as crianças tomaram o controle. O que chama a atenção nele é a fotografia: filmado em sua maior parte à noite ou em ambientes escuros, o clipe antecipa o tom ‘dark’ do novo álbum.

Capa de Neighborhoods
A faixa que abre Neighborhoods, Ghost on the Dance Floor, fala sobre o acidente que Travis sofreu em 2008. Para se ter uma noção, palavras como ‘dead’, ‘death’ e derivadas aparecem em cinco das 14 músicas da edição deluxe do álbum. As letras estão mais maduras e, se não fosse por isso, a faixa Heart’s All Gone poderia muito bem se encaixar no álbum de 1999 da banda, Enema of the State. A música traz uma batida hardcore digna de ‘blink antigo’. Essa ‘vibe’, no entanto, não é seguida no disco inteiro. A própria Up All Night lembra muito Angels and Airwaves, principalmente no refrão, e Fighting Gravity é uma faixa bastante experimental. As outras canções indicam uma continuidade quanto ao que a banda apresentou no álbum homônimo de 2003.

Não dá para esperar que o blink-182 volte a fazer exatamente o mesmo tipo de som que fazia no início da carreira. O primeiro álbum, Cheshire Cat, foi lançado quando os integrantes tinham entre 16 e 22 anos (e Travis ainda nem era baterista da banda). Enema of the State chegou ao público quando Mark, o mais velho, tinha 27 anos. Take off Your Pants and Jacket, de 2001, já anunciava certa transição com a música Stay Together for the Kids, e a banda amadureceu de vez com o álbum de 2003. Hoje, Mark tem 39 anos, Tom tem 35 e Travis, também. Não dá para esperar que o blink lance outro Dude Ranch.

Neighborhoods

Mark Hoppus disse à MTV americana um pouco sobre o significado do nome do álbum: “Quando o blink-182 voltou, nós percebemos que, mesmo com Travis, Tom e eu sendo próximos, somos pessoas muito diferentes e com gostos muito diferentes. Cada um de nós traz à banda uma estética, um talento e um tipo de som muito distinto. E é nas diferenças entre nossas idéias [...] que as coisas boas acontecem quando escrevemos juntos. Então é como se cada um de nós fosse um bairro diferente dentro de uma cidade. [...] O mundo é grande, animador e muito diferente. É isso que Neighborhoods significa para mim.”.

Aproveitando esse nome, a banda lançou no último dia 26 um site especial com streaming do álbum e uma idéia muito boa: ao deixar que o site identifique sua localização, você pode conversar com pessoas que moram perto de você e também estão ouvindo o disco – uma boa maneira de encontrar gente que gosta do mesmo tipo de música que você. Infelizmente não é em todas as regiões do mundo que ele funciona, mas a banda provavelmente vai arrumar isso em breve.

Enquanto isso, assistam ao blink-182 em ação tocando o grande destaque do novo álbum: After Midnight.

5 comentários:

  1. Awwwn, curti demaaais :) Viva a volta do blink com muita música boa!

    ResponderExcluir
  2. demais! ahhaha gostei :)

    ResponderExcluir
  3. mto boa a sua visão, gostei!
    parabéns!!

    ResponderExcluir
  4. Achei muito bom o cd novo.. serio mesmo!

    Estava desanimado, pq na minha opiniao o blink self-titled anterior a esse, é uma boxta.. nao gostei mesmo..

    Esse, ao contrario, ficou FODA!!
    Musicas maduras, gostosas de ouvir.. Ghost on the Dance floor pra mim é a melhor musica do album.. cercada de paixão e estilo no refrão..

    Depois vem After Midnight, linda tambem..

    Tao de parabens!

    ResponderExcluir
  5. Ouvi o album. Na boa, n que esteja ruim, mas nem curti. Heart's all gone foi a música que mais gostei, até pq, como vc mesma colocou aí, é mais no estilo BLINK 182, com a diferença de estar mesmo mais madura. Como maturidade é o que faltava no som deles, na minha opnião, essa música ficou fera.

    Mas sei lá, acho que faltou um algo a mais no álbum. Na minha forma de ver eles amadureceram muito na temática, mas eles cresceram muito pouco musicalmente. É como se esse cd fosse mais do mesmo, só que não tão bom quanto o de antes.

    Acho que o Neighborhoods não superou os álbuns antigos da banda. Eu já te falei uma vez que quando o novo cd é pior que o anterior me dá um certo ar de fim de carreira.

    Repito, o cd não está ruim, mas me faz acreditar que o auge deles realmente já foi. Daqui pra frente eles são só o finzinho do blink 182...

    ResponderExcluir